O GLOBO - Informática Etc. - Carlos Alberto Teixeira
Artigo: 197 - Escrito em: 1994-12-28 - Publicado em: 1995-01-02


Mirabolância


O gigantismo da Internet continua surpreendendo os mais ousados visionários. Comparando os números da redinha entre os meses de novembro de 1993 e de 1994, o tráfego aumentou em 109%. O número de hosts pendurados à rede demonstrou um aumento de 87%. Em termos de hosts instalados, temos em ordem decrescente: EUA, Grã-Bretanha, Alemanha, Canadá, Austrália e Japão. A Internet em breve estará englobando todo o orbe e para isso falta bem pouco. Por ora ainda existem em funcionamento políticas de filtragem por razões de segurança, visando restringir o tráfego entre sites patrocinados pela NSFNET (um dos donos da bola) e os ramos da rede situados nos seguintes países: Bósnia-Herzegovina, Irã, Iraque, Líbia, Macedônia, Coréia do Norte, Sudão, Síria, Vietnam e Iugoslávia (Sérvia e Montenegro). É claro que existem ainda nações não conectadas à rede, mas seu número vem caindo rapidamente.

Alguns países estão superando todas as expectativas de crescimento. O campeão é a nossa vizinha Argentina que, neste último trimestre teve um crescimento de 419%, passando de 248 para 1.287 workstations atreladas à Net. Em seguida estão Irã, Peru e Egito, com 250, 171 e 148%, respectivamente. Recentes estatísticas revelam que a média etária do interneteiro é de 30,7 anos, sendo 86,5% homens, 13,4% mulheres e 0,1% neutros (ai, santa!).


CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA: O JasBits é um E-Zine, jornal eletrônico distribuído via Internet, bastante variado e interessante. Em sua última edição, revelou que a Força Aérea do titio adotou o banimento do nefasto gás CFC pela EPA (Environment Protection Agency). A louvável atitude tomada pela USAF foi a de trocar o CFC por um outro gás não nocivo. A substituição foi feita no sistema de refrigeração de seus mísseis balísticos intercontinentais, cada um deles com 2 a 10 ogivas nucleares. Isto significa que, caso sejam detonadas, estas ogivas produzirão um holocausto ecologicamente inofensivo, dizimando milhões de vidas, mas sem afetar a camada de Ozônio.


FUTURO PRÓXIMO: Dizem que o futuro da TV a cabo será a TV a sargento, mas enquanto não chega essa nova era, os gigantões das telecomunicações já têm tudo planejado para utilizar a rede instalada de cabos televisivos para fazer chegar a querida Internet às residências dos zilhões de consumidores potenciais. Um grande bazar, é no que vai se transformar a grande rede, logo logo. Quem viver verá.

E falando em TV a cabo, deu num recente artigo do newsgroup "rec.video" da Usenet, que uma estação experimental nos EUA enquadrou um aquário com uma câmera e transmitiu a imagem ao vivo durante um mês, ocupando o canal vago até a inauguração oficial da emissora. Quando iniciaram as transmissões com a programação normal, os caras começaram a receber um monte de reclamações de gente que adorava o "canal dos peixinhos". Os pedidos foram tão numerosos que a companhia se viu forçada a arranjar um canal especial para os peixes, que hoje podem ser vistos na telinha 14 horas por dia.


PERDIDOS NO ESPAÇO: Quem já se aventurou a passear pela "Teia de Alcance Mundial" da Internet, ou seja o WWW, vulgo W3 (World-Wide Web), já deve ter percebido que a coisa mais fácil que existe é ficar totalmente perdido diante da estupenda variedade de endereços, sites e apontadores. Isso é especialmente verdade para os que se acostumaram a navegar no W3, tomando o cuidado de ir salvando em seu "bookmark" cada LINK interessante que ia encontrando pelo caminho. Estes metidos a sabichões, eu incluído, acabaram ficando com uma batata quente na mão: um arquivo bookmark imenso com um monte de coisa inútil e apontadores para sites que nunca mais serão visitados.

Dizem os mais sábios que a chave da navegação no W3 é possuir o endereço de dois ou três bons índices. Deixe que os mais poderosos façam o trabalho duro e tire sua casquinha. E já tem muito gigante dedicado à árdua, senão impossível, tarefa de indexar os recursos da formidável Teia. Experimente mirar seu "WWW Browser" para "http://home.mcom.com/home/ internet-search.html" e terá ao seu dispor um super-índice, com apontadores para máquinas poderosíssimas chamadas "Search Engines", tais como: Lycos (Universidade Carnegie Mellon), WebCrawler (Univ. de Washington), CUI (Univ. de Genebra, Suíça), Zorbamatic (Rockwell Systems), ALIWEB (Nexor, na Grã-Bretanha), WWWW - World Wide Web Worm (criado por Oliver McBryan) e ArchiePlexForm (NASA). Atenção especial ao Lycos ("http://lycos.cs.cmu.edu"), que promove varreduras diárias no cyberspace do W3, acumulando num índice inteligente todos os endereços notáveis que vai encontrando pela frente. Não me pergunte como é que ele faz isso porque não tenho a menor idéia. Ele oferece uma "search engine" chamada Pursuit para permitir acesso aos seus monstruosos catálogos, disponíveis em duas versões: grande e grandalhona.

O banco de dados do Lycos cresce também com a ajuda dos habitantes da rede, que podem cadastrar (sem ônus) seus próprios endereços URL (Universal Resource Locator) no parrudo catálogo, que já conta com cerca de 1,05 milhões de itens. O sistema funciona por enquanto com duas maquinetas rodando direto, atendendo a mais de 51 mil consultas por semana. Nos horários de pico, O Lycos dá conta de até 80 pedidos ao mesmo tempo.


TECH-AWARE: Os frequentadores do "alt.conspiracy", movimentado newsgroup da Usenet, às vezes têm fama de paranóicos. Nos menos expressivos acontecimentos conseguem quase sempre enxergar uma grande farsa ou senão uma maquiavélica conspiração. Como em todo newsgroup, face à brutal quantidade de mensagens despejadas diariamente, o que se tem é muito mais ruído do que informação útil. Todavia, por sorte, de quando em vez é possível pescar algo que preste. No ano passado, um mancebo chamado L. Wolfe escreveu uma série de treze artigos fazendo uma detalhada análise sobre a tecnologia da televisão e seus impactos sobre a humanidade. A série original em inglês pode ainda ser obtida através de FTP anônimo no site ftp://etext.archive.umich.edu/pub/Politics/LaRouche buscando os arquivos "tv.01" até "tv.13". Acontece que um BBSzeiro muito animado chamado Victorino Santos leu o texto e gostou tanto dele que, junto com dois colegas e a patroa, se meteu a traduzi-lo. Entregou seu trabalho de bandeja à cyber-comunidade brasileira, disponibilizando-o para download nos BBS's Inside e CentroIn, entre outros, sob o nome DSLIGATV.ZIP. Vale a pena baixar e dar uma lida. [1999-03-19 Pode ler o texto via Web mesmo, bastando clicar aqui. ] E se quiser assistir a uma palestra do CAT sobre o assunto, compareça à Sociedade Brasileira de Eubiose, Rua Gomes Freire 537, tel: (021) 252-9944, e-mail eubiose@unikey.com.br. Sexta que vem, dia 6, às 20 horas, entrada franca.


[ Voltar ]