O GLOBO - Informática Etc. - Carlos Alberto Teixeira
Artigo: 230 - Escrito em: 1995-08-01 - Publicado em: 1995-08-21


Encontre-se


Seis e meia da manhã. Sono profundo. De repente gritaria, estampidos, barulho de coisa caindo. É sonho? Não, é tiroteio! O pessoal imprudentemente enfia a cara pela janela. O apartamento é de fundos e toda a vizinhança está pendurada olhando para um mesmo lado, caras amarrotadas e bafo de galocha. Que tiroteio nada, é incêndio. Do sétimo andar de um prédio próximo saiam línguas de fogo. Bombeiros tentavam jogar água das janelas logo acima e logo abaixo das chamas. Apontavam as mangueiras com a força das mãos, mas seus braços não eram de borracha e o alcance do jorro d'água era muitas vezes impreciso.

Diante daquela cena, um vizinho meu, bom de idéias e bom de desenho, bolou e esboçou no ato uma armação metálica adaptável ao peitoril de uma janela, com a função de mirar o esguicho duma mangueira para dentro de uma outra janela próxima em chamas. Preparou um croqui em duas versões e batizou o invento de Dulcineca. Ex-marinheiro, ele se baseou no apelido naval de uma manobra de mangueira chamada "Goose Neck" (pescoço de ganso - pronuncia-se "gúz néc"). Como a marujada nunca conseguia falar o nome correto da manobra, surgiu a corruptela Dulcineca. O vizinho botou o chinelo e foi até a rua entregar o papelucho ao tenente Leal, encarregado da operação de combate ao incêndio. Deixou nome e telefone para contato.

Uma hora depois foi convocado pelo Coronel Paulo, o entusiasmado comandante dos bombeiros do Humaitá, para apresentar a Dulcineca em detalhes. Ao chegar lá, encontrou a equipe já em alta rotação num faiscante brainstorming visando produzir imediatamente um protótipo das peças. Meu vizinho ficou impressionado com a agilidade, a organização, o empenho e a capacidade de trabalho daqueles feras. Levado depois a visitar as instalações do quartel, acabou indo parar no centro de informática, onde notou que dispunham de um ótimo modem e começou a botar minhocas na cabeça do pessoal. Terminada a visita, grandes abraços e novos amigos, veio bater aqui em casa perguntando como é que os bombeiros poderiam se pendurar à Internet e que benefícios poderiam advir desse contato.

Quem navega pela rede, de vez em quando se depara com questões como essa. Às vezes é um amigo, a namorada, um parente ou mesmo um vizinho que chega querendo saber que informações a Internet pode oferecer sobre um dado assunto meio fora do comum.

Existem vários pontos onde buscar, mas vamos nos ater à Web e às mailing lists. Para pesquisar na Web, uma das melhores ferramentas é o Lycos, uma "search engine" (máquina de procura). Pelo fato de ser alimentado com novos endereços URL (Universal Resource Locator) pelos próprios responsáveis pelas home-pages, o poder do sistema está sempre a crescer, oferecendo atualmente mais de 5,5 milhões de endereços pesquisáveis. Aponte seu Web browser para http://www.lycos.com/ e clique em "Lycos search form", logo abaixo do "big Lycos catalog". No caso, deve-se informar o texto "fire fight$" no campo Query, para procurar pelo assunto de nosso interesse, ou seja, combate a incêndio (fire fight). O sinal "$" (dólar) serve para afrouxar o critério de busca para a palavra "fight". Digitando "100" no campo "Max-hits" e clicando em "Start search" a máquina começa a busca. O resultado da pesquisa, num horário de pico (seis da tarde, hora de Brasília) pode demorar uns 3 minutos para chegar. O sistema respondeu exibindo uma lista com tamanho de 53 kb, indicando que mais de 16 mil documentos foram encontrados no sistema. Bastou salvar o resultado em disco, compactá-lo e fazer o download, para ler com calma e decidir quais endereços deveriam ser visitados numa próxima conexão. Numa rápida olhada pela lista deu para ver quanto material valioso existe na rede sobre combate a fogo: equipamentos de proteção, técnicas anti-incêndio em florestas, bibliografia, normas técnicas, lançamentos de produtos, pesquisas acadêmicas de materiais anti-incêndio, fotos aéreas, chamadas para conferências, relatórios de operações importantes, acesso à rede FireNet e mais um montão de coisas.

O próximo passo seria descobrir listas de assinatura (mailing lists) que tratassem do assunto. Existe para este fim um servidor de listas muito bom e que resolve essa questão facilmente. Bastou enviar e-mail para LISTSERV@VM1.NoDak.EDU, com Subject em branco e corpo da mensagem contendo:

//DBlook JOB Echo=No
Database Search DD=Rules
//Rules DD *
Select fire in lists
index
Select fire in intgroup
index
Select fire in new-list
index

Note-se a palavra-chave "fire" sendo pesquisada em três índices diferentes. Os comandos acima devem ser digitados exatamente como aparecem. São comandos de uma linguagem arcaica chamada JCL (Job Control Language) do sistema operacional "OS" que roda em mainframes IBM. Para maiores detalhes sobre o funcionamento deste excelente listserv, envie e-mail para o mesmo endereço LISTSERV@VM1.NoDak.EDU, com corpo GET NEW-LIST README. Como resultado o listserv enviou uma relação de mailing lists que abordavam assuntos ligados a "fire". Dentre 9 listas, apenas 4 estavam ligadas ao combate a incêndios.

Diversos outros recursos de pesquisa existem na Internet e gastaríamos semanas para destrinchar cada um deles. Antes de terminarmos porém, não resisto à tentação de recomendar novamente um serviço na Web que procura por palavras-chave em todos os artigos postados na Usenet (não incluindo os grupos "alt") durante o último mês. O endereço é http://www.dejanews.com/ Já se falou deste serviço aqui mesmo em nossa coluna, edição de 26/06/95, intitulada "O Espírito da Noite".

Deixando-a cheia de coisas com que se divertir, despeço-me da leitora.


[ Voltar ]