O GLOBO - Informática Etc. - Carlos Alberto Teixeira
Artigo: 250 - Escrito em: 1996-06-05 - Publicado em: 1996-06-10


Mais moleza impossível


Essa coisona de Internet, espalhando-se do jeito que está, nos traz ótimas surpresas de vez em quando. Ultimamente, aliás, o que tenho recebido de surpresa não está no gibi. Muito amigo antigo, gente de quem não ouvia falar há anos, de repente me manda e-mail dizendo "tô vivo!". E aí geralmente rolam papos virtuais adoráveis, nostálgicos e que muitas vezes acabam em emocionados reencontros numa pizzaria ou coisa que o valha. Aliás, já disse isso aqui, o mais interessante nessa rede é o gabarito do pessoal com quem a gente interfaceia.

E outro dia desses me aparece um antigo colega bbszeiro dos tempos em que se acessava a 300 bps, o Sérgio Creimer <creimer@unix.horizontes.com.br>. Ele trabalha na Horizontes BBS, empresa que funciona desde 1991, sendo atualmente o maior provedor Internet de Minas Gerais. São 8900 usuários, entre bbszeiros e interneteiros, desfrutando de 84 linhas telefônicas padrão Telemig, ou seja, coisa fina segundo dizem.

Mas o grande borogodó da Horizontes é o projeto que eles desenvolveram, já em pleno funcionamento, que é a ligação 24 horas entre dois servidores, um no próprio provedor Horizontes e outro na Telemensagem, empresa de pagers. (Não quero menosprezar a cultura tecnológica da leitora, mas se ignora o que seja "pager", saiba que é um aparelho do tamanho duma caixa de fósforos, com alguns botõezinhos, uma tela de cristal líquido, e que recebe pequenas mensagens por rádio, de modo que um cidadão qualquer pode telefonar para uma central e enviar um recado para um certo pager, bastando fornecer o número do dito cujo.)

Segundo o Sérgio, já existe coisa parecida lá na tampa de cima do planeta, terra do Titio, graças a uma empresa chamada PageNET. Mas, segundo ele (o Sérgio, não o Titio) tem coisa na Horizontes que nunca ainda se viu sob o Sol.

A primeira função do projeto é permitir que qualquer usuário Telemensagem possa receber recados via e-mail. Um interneteiro na Eslovênia, por exemplo, acessa via Web o http://www.telemensagem.com.br e escreve online uma mensagem para determinado usuário do pager, informando o número do bip do destinatário. E pronto, a mensagem vai bater direto no pager do feliz urbanita usuário do serviço de radiochamada. Já são 8000 pagers cadastrados, gente que está rindo para as paredes, pois nem precisou comprar um micro para poder receber pequenas mensagens via e-mail. Agora, imagine o status dum cabra desses, entregando um cartão de visita para seus conhecidos, onde constam um número de pager e um URL para contato. Sem dúvida, é muito ôvo. Este serviço já está funcionando há mais de um mês e, veja que coisinha linda, o usuário só paga a mensalidade normal de locação do pager. Já tem muito carinha em Belô recebendo verdadeiras cartas online pelo pager.

A segunda função do projeto Horizontes é para o caso do usuário de e-mail do provedor e que possui de quebra um pager Telemensagem. Normalmente, se você está à espera de uma mensagem e-mail importante, fica ligando várias vezes por dia para o provedor -- e ele adora isso -- para checar sua mailbox. Agora pelo novo método, sempre que chega coisa nova em sua caixa de correio, o sistema envia no ato um aviso para o pager, informando o "From:" e o "Subject:" da mensagem. Essa belezoca de serviço custa 12 pilas por mês.

Se quiser maiores informações, use sua voz no número (031) 286-3420, seu fax em (031) 227-3248 ou seu Web browser em http://www.telemensagem.com.br PAGER# 41416. Se quiser saber coisas sobre o Telemensagem especificamente, use voz (031) 275-1451 [Rogério], ou o mesmo URL acima, com PAGER# 40007.


Uma usuária de Sydney, Austrália, de nome Rachel Polanskis <r.polanskis@nepean.uws.edu.au> descobriu algo interessante na fabulosa search engine do Alta Vista (http://www.altavista.digital.com) e seu poderoso (até demais) robô de varredura. Estava ela a pesquisar no Alta Vista sobre alguns tópicos de programação, vasculhando bibliotecas de programadores para incrementar algumas funções em sua rede doméstica em Unix. Na verdade ela já sabia que precisava de um certo software comercial, mas queria ver se encontrava alguma solução shareware para o caso.

Deparou-se então com um dos links encontrados pelo Alta Vista, que dizia: "Directory of /lib". Ela seguiu o tal link imaginando que iria entrar em algum repositório público de programas freeware. Mas surpreendeu-se ao ver rolar na sua tela uma listagem imensa de diversas libraries (bibliotecas) de sistema -- coisas de Unix. Fuxicando um pouquinho mais e sem fazer muita força, acabou encontrando os arquivos de "root" do site, o que no jargão unixeiro significa que estava a um passo dos arquivos nevrálgicos do sistema. A Rachel passeou um pouquinho mais e teve acesso até ao arquivo de passwords do site.

É claro que a jovem é uma menina boazinha e não fez o que poderia ter feito: copiar o arquivo de senhas, rodar um "crack" nele, logar como "root", apagar os syslogs e fazer uma festa de arromba. Pelo contrário, ela e-mailou o administrador e soltou os cachorros, educadamente é claro. Dias depois, o site sumiu do mapa. Portanto, moral da história: se o site é mal cuidado em ermos de segurança, o Alta Vista vai lá e escancara geral.


A Rádio MEC em 98,9 megas está de hardware novo nos transmissores, alta potência. Nada como singrar os mares da Web ouvindo belos clássicos brotando da caixa de som.


[ Voltar ]