O GLOBO - Informática Etc. - Carlos Alberto Teixeira
Artigo: 303 - Escrito em: 1997-06-12 - Publicado em: 1997-06-16


Um dia a gente chega lá


Já está passando de mel a garapa essa história de mail-spam na Internet, essa detestável mania de enviar mensagens de propaganda via correio eletrônico, geralmente com remetente falso. Mesmo aqui no Brasil tem usuário recebendo diariamente dezenas de mensagens desse tipo e a coisa não pára de crescer. Geralmente são spams oriundos do estrangeiro, mas já temos brasileiros espertinhos adotando esse método idiota de atrair clientes.

Nos EUA já estão em andamento dois projetos de lei anti-spam. O primeiro deles chama-se "Murkowski bill", é um tanto rudimentar e impõe altos custos adicionais aos provedores Internet. Ele requer que toda mensagem de propaganda traga a palavra "advertisement" (anúncio) no subject e que inclua informações válidas para contato. Exige também que cada provedor de e-mail realize uma filtragem das mensagens recebidas e repassadas aos usuários, removendo os spams. Pesadas multas se aplicariam aos provedores que não cumprissem as regras. O texto completo do projeto Murkowski encontra-se em <http://www.senate.gov/~murkowski/press/EMail052197.html>. Uma das desvantagens dessa abordagem é a de tornar o spamming legal, o que sem dúvida iria aumentar consideravelmente o tráfego de mensagens desse tipo.

O outro projeto chama-se "Smith bill", sendo na verdade uma emenda à lei já existente nos EUA contra junk fax. A multa passaria a ser de US$ 500 também para prática de junk e-mail e nenhum custo adicional seria impingido aos provedores. Está havendo um forte movimento em favor desse segundo projeto e pode-se obter maiores informações entrando em contato com John R. Levine <johnl@iecc.com>.

Correndo por fora, eis o pioneiro estado do Texas, onde diversos cidadãos da cidade de Austin entraram na justiça contra uma empresa que usou pesado mail spam para anunciar um esquema de dinheiro fácil. A líder do movimento é a escritora Tracy LaQuey Parker, autora de diversos trabalhos sobre a grande rede, incluindo "O Manual da Internet" lançado aqui pela Editora Campus.

Esse modo de vida americano pode ter lá suas esquisitices, mas dá gosto de ver um sistema judiciário mais ágil e o cidadão exercendo pressão sobre os legisladores. Até chegarmos lá ainda falta muito.


No início desse mês a NASA pegou no flagra mais um adolescente que penetrou no web site da instituição e alterou as páginas com mensagens ofensivas. A agência espacial americana, bem como diversos órgãos do governo dos EUA, continua vulnerável a ataques via Internet. Os responsáveis pela segurança do site da NASA atribuem o fenômeno ao assombroso crescimento da Internet e do aumento do número de hackers vasculhando a rede e realizando um número cada vez maior de ataques.

Os hackers cada vez mais se organizam e trocam informações. Em 1994 houve uma grande conferência internacional chamada "HOPE -- Hackers On Planet Earth" e agora em agosto próximo, nos dias 8 a 10, haverá a continuação desse evento em Nova York, a conferência "Beyond Hope -- A Global Hacking Experience". No HOPE de 94 o pessoal tinha um link de 28,8 kbps com o mundo externo e já deu para lavar a égua. Esse ano, porém, os participantes terão à sua disposição um link T1, além de video-links com a conferência HIP (Hacking in Progress), que estará em andamento na Holanda. Os participantes poderão levar suas máquinas e cada um ganhará uma senha de acesso no site da hope.net. Já está lançado o desafio: quem conseguir hackear a root ganha um prêmio invejável. Em tempo, "root" (diz-se "rúte") é a identificação do administrador do sistema Unix e sua password é a aspiração máxima de um invasor de sucesso.

Saiba mais em <http://www.hope.net> ou então em <http://www.2600.com>. Para a informação mais recente, mande e-mail para <info@hope.net>, para dicas de viagem <travel@hope.net>, para questões técnicas <tech@hope.net>, quem quiser ser palestrante <speakers@hope.net> e se desejar se oferecer como voluntário <vol@hope.net>.

Em contrapartida ao hackerismo, se a leitora não quer nem ouvir falar nessa raça de invasores e vândalos digitais, saiba que vai haver uma teleconferência promovida pela Softbank Forums, versando sobre segurança computacional. Já é uma preparação para o grande acontecimento que será o Interop Security Symposium, realizado em conjunto com o NetWorld+Interop 97, de 6 a 10 de outubro em Atlanta, EUA. Contato com a dona Samantha Leggat <sleggat@ix.netcom.com> da empresa Lighthouse Public Relations.


[ Voltar ]