O GLOBO - Informática Etc. - Carlos Alberto Teixeira
Artigo: 333 - Escrito em: 1998-01-07 - Publicado em: 1998-01-12


O mestre do progressivo


Numa dessas pausas para o café aqui na redação, o Paulo Vianna me deu um tapinha no ombro e apontou para um sujeito com cara de profeta e aparência de guru que passava pelo corredor meio que levitando. "É ele!" disse. Eu já sabia quem era o mancebo. Já havíamos falado nele e finalmente era a chance de conhecê-lo. Muito simpático e solícito, pouco demorou para que comprovasse o que dele se fala. Trata-se de Carlos Alberto Vaz Ferreira <carlosv@nutecnet.com.br>, o mestre do Rock Progressivo, a maior sumidade que já conheci no ramo. Conhece os mais arcanos segredos desse gênero que tanto sucesso fez nas décadas de 60 a 80 e que ainda hoje reúne adeptos fervorosos, dentre os quais me incluo. O mestre preparou uma das mais completas páginas Web sobre o assunto, com uma inestimável coleção de links para as páginas de quase todas as bandas conhecidas e muitas virtualmente desconhecidas. Quem curte o estilo não pode deixar de visitar. O endereço é <www.geocities.com/SunsetStrip/Palladium/7482/progressivo.htm>. Às vezes, para uma determinada banda, há mais de um endereço na rede, mas o mestre não se faz de rogado, informa todos, sejam sites oficiais ou não. Se a leitora tiver interesse em páginas web de algum integrante específico de uma banda, normalmente irá encontrar esta informação no site do grupo. É só sair garimpando que vai achar.

Sendo fã especial do tecladista Keith Emerson <www.dynrec.com/elp/photo20.html> do grupo Emerson, Lake & Palmer, gostaria de recomendar o site <www.users.bigpond.com/ZINGARI> que oferece a maior coleção de MIDIs do ELP. Em tempo, MIDIs são pequenos arquivos contendo música, podendo ser baixados da rede sem grandes delongas e reproduzidos em sua máquina, bastando que para isso você tenha uma placa de som e caixas ou fones. Você pode pegar quantos MIDIs quiser desse site, mas sabendo que eles são oferecidos em regime de shareware. Só acho que o esquema é um pouco forçado pois, segundo o que consta na página, para cada MIDI que você downloadear, deveria enviar US$ 10 para o Keith. Parece-me pesado demais. Na mailing list ELP-Digest <bliss.berkeley.edu/elp/index.html>, onde se trata exclusivamente dos assuntos do grupo, já rolou o maior bafafá sobre essa onda de cobrar tão caro por um arquivinho MIDI. O que acaba acontecendo é que a galera chupa tudo do site e não paga nenhum centavo ao autor. No site particular do Keith Emerson <www.picasso.net/emerson/> nem se menciona a página do Zingari, de modo que não se sabe até que ponto o músico apoia a iniciativa. De qualquer modo, no site do Keith, além da galeria de fotos, discografia e história, vale a pena ler as crônicas bem-humoradas escritas pelo mago do Hammond e do Moog. A última é sobre Smokey, seu papagaio de estimação que, cada vez que ouve um solo de bateria, responde: "Come in!"

Tem muita gente nova redescobrindo o valor do Rock Progressivo. Grupos maravilhosos já desaparecidos, como o Triumvirat <http://zeus.anet-stl.com/~dirk>, estão sendo apoiados pelos próprios ex-integrantes, que enriquecem os sites com histórias e depoimentos inéditos. O lance é aproveitar que esses dinossauros ainda estão vivos e pesquisar, ouvir muito os trabalhos deles e dar-lhes o devido valor. Daqui a pouco os caras morrem e, só então, serão considerados gênios da música. Para comprar CD's desse gênero, o melhor point é o M&M Music Progressive Rock <www.geocities.com/SunsetStrip/4500>. Os fornecedores habituais de CD's via Internet muitas vezes oferecem melhor preço e entrega mais rápida, mas quando a coisa fede e um certo item está difícil de encontrar, o negócio é apelar para a M&M mesmo.


Já que estamos falando de música, um amigo meu descobriu no ano passado em Munique, Alemanha, o CD de um grupo inovador pouquíssimo conhecido aqui, o Adiemus. O disco chama-se Songs of Sanctuary. Visite o site não oficial do Adiemus em <www.noahgrey.com/adiemus>. A música é mágica e a solista é Miriam Stockley acompanhada da Filarmônica de Londres, regida por Karl Jenkins e percussão eletrônica de Mike Ratledge. A Miriam <www.1212.com/music-cast/singersuk/miriam/home.html> possui uma voz não-treinada e viveu sua infância na África do Sul, expondo-se às vibrações da música tribal africana, maori e zulu. As letras das canções não têm significado, assumindo valor apenas por sua beleza fonética e pelo encanto da voz e dos arranjos. O resultado é notável. Se tiver dificuldade em encontrar os CD's do Adiemus na Internet, procure dicas no site acima.

[ Voltar ]